Domingo, 22 de Abril de 2012

UM CERTO ESTILO ALOURADO

 

“L...reparava com ansiedade que, por sua vez, o esclarecimento também precisava de ser esclarecido. Logo o tomava o medo de que, por falta de rigor, o não acreditassem, de maneira que acrescentava todas as precisões de tempo, lugar e modo que lhe ocorriam. Mas o tempo, lugar e modo têm as suas particularidades, um antes e um depois, um perto e um longe, um seco e um molhado, um limpo e um sujo, um preto e um branco, um rápido e um lento... Havia que escolher de entre as alternativas a mais verdadeira, que só valia sendo bem circunstanciada, com tempo lugar e modo. E se não acreditassem na palavra dele, lá estava Fulano e Beltrano a confirmar. E se esses não se lembrassem, ele avivava as memórias, lembrando o fato castanho de um e a exclamação “ele há cada uma!” de outro, que aliás, tinha proferido num sítio muito determinado que era... mesmo junto a ... logo a seguir... até vinha passando F... o qual se acercou e disse... ao que respondera... e até passou o comboio das nove e... E quanto mais descorria, mais assustado ficava L... Ao receio de que não tivesse sido suficientemente rigoroso e persuasivo, acrescia a consciência de que estava a maçar, de maneira que passava a intercalar um “eu acabo já, é só mais um instante” de dez em dez segundos, e começava a exprimir-se cada vez mais depressa. Mas então sobrevinha a sensação de que todos se haviam já esquecido do que havia dito em primeiro lugar e apressava-se a repeti-lo, de maneira mais enfática, acontecendo que lhe ocorriam entretanto diversos pormenores que enriqueciam a história. E aproveitava a ocasião para corrigir particulares que tinham sido mal contados.

Quem o conhecesse sabia não valer a pena interrompê-lo, mesmo usando artes cortesãs ou rudezas militares. Interpelado a meio do discurso, calar-se-ia humildemente.

Mas enquanto esperava, os sinais de inquietaçãp multiplicavam-se na face e aqueles esgares tornavam-se insuportáveis a quem o olhasse. E ao retomar a palavra, logo na primeira oportunidade, faria tábua rasa de tudo o que entretanto se dissesse e regressaria ao seu próprio discurso anterior, completando-o com os pormenores que, enquanto aguardava, a sua tumultuosa memória desencantara.......

Texto retirado do livro

“Era bom que trocássemos umas ideias sobre o assunto”

Do autor, Mário de Carcalho

publicado por carifas às 12:42

link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Cristina a 30 de Abril de 2012 às 19:07
Será que estou a reconhecer esta figura? Também o seu nome começa por L...

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. CARTAS DE AMOR, OU NÃO, D...

. O PINTOR

. Manuel Augusto Alcobia Gr...

. MEDICINA TRADICIONAL - Do...

. PARA MEMÓRIA FUTURA

. O QUE DIZER

. UM CERTO ESTILO ALOURADO

. MULHER CORAGEM

. AVENTURA NAS ESTERCADAS

. O MEU TIO PORRAS

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Novembro 2012

. Abril 2012

. Setembro 2011

. Fevereiro 2011

. Junho 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Junho 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

.favoritos

. A CARTA

. O FESTEIRO

. ABANAR OS TANCHÕES

. O PICOTO E OS TAROCOS

. OS BONICOS

. MANIFESTO - Um tempo atrá...

. “AS SORTES”

. A MINHA MÃE

. O GRACIANO DO CASAL DA MA...

blogs SAPO

.subscrever feeds